Fala galera!

Vamos hoje com mais um review de um jogaço Indie que descobri há algumas semanas. É um jogo com uma temática bem bacana, com gráficos simples e bonitos, e com um alto nível de tendência a te viciar! Estou falando do FTL: Faster Than Light!

1

FTL (como chamarei daqui em diante), é um jogo de RTS, desenvolvido pela Subset Games, e como o próprio nome indica, tem uma temática espacial. Como curiosidade, vale dizer que o jogo foi financiado via Kickstarter e obtiveram cerca de 20 vezes mais do que o previsto. O bacana dessa história é que o dinheiro extra foi reinvestido no jogo, o que aumentou muito a qualidade final do produto.

Em FTL, você é o comandante de uma nave espacial que pertence a “Federação Galática”. A federação está a beira de uma crise, pois estão tomando uma surra dos rebeldes na guerra que está sendo travada, e a derrota é iminente. O comandante desta nave controlada pelo jogador acaba interceptando um pacote de dados de uma frota rebelde, com informações que teriam o poder de mudar o curso da guerra e garantir a vitória da Federação. A sua missão é, no meio de toda essa confusão, atravessar uma galáxia povoada de rebeldes, ladrões, mercenários, entre outros e chegar ao quartel general da Federação garantindo a segurança das informações.

FTL-Map

No início você escolhe o modelo da sua nave (você começa com apenas um modelo disponível e vai liberando os outros na medida em que vai avançando no jogo), equipamentos, monta a sua tripulação e parte para a viagem. Você vai passando pelos sistemas como se fosse um jogo de tabuleiro, e a cada clique você tem uma surpresa; aparecem rebeldes querendo briga, ladrões querendo te roubar, pessoas sendo atacadas pedindo ajuda, e cabe a você decidir o que vai fazer. Cumprindo essas mini-quests ou vencendo batalhas você vai ganhando dinheiro, que pode ser utilizado para comprar equipamentos novos, como armas, defesas melhores, contratar tripulação, ou mesmo para reparar a nave de danos sofridos e reabastecer o combustível.

3

Durante as batalhas, você visualiza a sua nave e a do oponente, e aí começa a parte RTS do jogo,  pois você precisa controlar as suas defesas, manter os sistemas da nave (motor, armas, suprimento de oxigênio) funcionando, proteger a sua tripulação e atacar a outra nave.

Para isso, você precisa fazer a gestão dos seus “recursos”, que são representados por uma barra verde a esquerda da tela. Essa barra é como se fosse a energia que alimenta os recursos, e cada sistema enquanto está ativo consome uma determinada quantidade da sua energia. Para exemplificar: você tem 6 “energias”. Para ligar os escudos da nave, você consome 2 células dessa energia. Para ligar o suprimento de oxigênio, você consome mais 2 células, e para ativar o canhão de laser, você gasta mais 2 células. Para ativar o lança mísseis você precisa de mais 1 célula, mas você já está usando toda as 6 disponíveis, então você pode desligar os escudos temporariamente, por exemplo, para ficar com 2 células de energia sobrando, e assim usar uma delas para ativar o lança-mísseis. Na medida em que você vai ganhando dinheiro, você tem que equilibrar a compra de sistemas mais complexos (mais efetivos, mas que consomem mais energia), com o investimento em mais células de energia, para manter tudo funcionando.

A jogabilidade é muito fluida e os menus muito intuitivos, e com pouco tempo você consegue se acostumar com os controles e com a dinâmica do jogo. Mas isso não faz com que ele fique mais fácil: o jogo é DIFÍCIL. MUITO DIFÍCIL. Na medida em que você vai avançando pelas galáxias, os inimigos vão ficando mais agressivos e os recursos mais escassos. Se você não planejar muito bem como vai investir seu dinheiro, e o caminho que vai fazer para chegar ao objetivo, é quase certo que você seja trucidado no decorrer da sua partida. E se morrer, meu amigo, já era. Tem que começar toda a jornada de novo.

As partidas não são longas, no entanto, e dá para chegar ao quartel general gastando cerca de uma hora. Acredite, você vai recomeçar a jogar muitas vezes, e o fator replay dele é imenso! Você tem diversas possibilidades de chegar ao fim do jogo, passando por caminhos diferentes e principalmente, usando estratégias diferentes. Você pode investir para tornar sua nave ágil e furtiva, e chegar a Federação passando embaixo do nariz dos rebeldes, ou pode transformar sua nave em um tanque de guerra e passar metendo bala em todo mundo que passar pela sua frente, por exemplo, além de todas as naves diferentes que você pode usar.

2

E para melhorar, os gráficos são lindíssimos! São gráficos no melhor estilo retrô, meio 16bits, mas você vê o cuidado que foi tomado com cada textura, com cada aspecto das naves e dos tripulantes. E a música então? São trilhas incríveis, bem minimalistas, dando bem um sentimento de “vazio” e solidão que passa a imensidão do espaço. Ajuda a criar um clima bem bacana.

Você pode comprar o FTL no site do desenvolvedor: www.ftlgame.com, e custa apenas 10 dólares! Pelas horas e horas de diversão que ele vai te proporcionar, sai quase de graça. Ele saiu em alguns bundles, com outros jogos, e com uma boa googleada talvez você até consiga por um pouco menos.

Então, corra atrás e divirta-se! Vale muito a pena!