Crítica | Hércules

HERCULES

Dwayne Johnson, mais conhecido pelo mundo como The Rock, sempre foi um ator carismático, mas nunca foi um grande ator no quesito interpretação, e já havia notado há muito tempo que ele precisa de personagens carismáticos para brilhar.

Por isso que ao saber que The Rock interpretaria o carismático semi-deus Hércules, um pingo de curiosidade surgiu em mim, enquanto normalmente eu ignoraria um filme épico sem grandes nomes no elenco e na direção (como é o caso desse longa).

Já adianto que o filme Hércules é muito divertido, um excelente entretenimento, graças ao carisma de Dwayne Johnson e escolhas simples de roteiro.

Esqueça os mentirosos trailers desse filme. Aqui você não encontrará Hércules enfrentando monstros mitológicos ou deuses (quem conhece o projeto mais à fundo já sabia, mas aposto que o grande público esperava um filme nessa linha), o Hércules de Dwayne Johnson é uma visão pé no chão para o mito grego. O roteiro é baseado na HQ Hercules – The Thracian Wars (sinceramente não li), e acredito que isso fez muito bem ao filme, pois se tentasse mostrar os doze trabalhos pela milésima vez, com o orçamento disponível, a produção não tentaria ser criativa como foi.

Apesar do acerto na proposta da história, sua execução nem sempre caminha bem, principalmente na parte final do filme onde os clichês transbordam.

Para aqueles que curtem filmes de brucutus, Hércules faz bonito, pois o protagonista e seu grupo são porradeiros pra caramba e em vários momentos são inesperadamente engraçados, contrastando positivamente com o clima de batalhas épicas e treinamento militar presentes por todo o filme.

Só o fato do Hércules usar um porrete (clava, bastão, sei lá) já ganha pontos, pois faz o personagem ficar ainda mais bruto, combinando com o físico de Dwayne Johnson, que está gigante.

Os efeitos especiais não são um primor, mas na proposta de um filme pipocão sessão da tarde, quase ingênuo ele se sai bem na telona. Não assisti o filme em 3D então não posso opinar sobre esse quesito, mas acho improvável ele fazer uma diferença muito grande diante do que vi no filme.

A trilha sonora do filme é bem basicona, serve para complementar as cenas e quase não a notamos, nem positivamente ou negativamente, acho que faz bem o seu papel, mas pra por ai (curti a música que inicia os créditos).

Um filme nesse estilo não tem nem muito o que comentar, aprofundar o que não tem profundidade é perda de tempo, acho que The Rock e Brett Ratner (diretor) fizeram um bom trabalho, o filme superou minhas baixas expectativas e foi bem divertido.

Sai do filme contente e torcendo que se pague nos EUA e com uma ajudinha do resto do mundo, pois seria bem legal uma continuação nos mesmos moldes, revivendo aqueles filmes de aventura sem compromisso que fazem tanta falta nos dias de hoje.

Dwayne Johnson subiu no meu conceito com esse filme.

Repito, não acreditem totalmente nesse trailer!!!